Avenida Brasil

Avenida Brasil - Rio de Janeiro - BR-101Inaugurada em 1946 e com 58 km de extensão, a avenida Brasil é uma das mais importantes e movimentadas vias da cidade do Rio de Janeiro.

Ao longo dos seus 58,5 quilômetros de extensão, corta 26 bairros da cidade e tem o status de mais importante via expressa da cidade do Rio de Janeiro. Apenas um trecho, de 2,3 quilômetros, recebe exclusivamente o nome “Avenida Brasil”, que se compreende entre a Avenida João XXIII, em Santa Cruz, e o acesso à pista da BR-101, no mesmo bairro. É a maior avenida em extensão do Brasil e o maior trecho urbano da BR-101, ligando exatamente a BR-101 norte (Ponte Rio-Niterói e Rodovia Rio-Vitória/Niterói-Manilha) à BR-101 sul (Rodovia Rio-Santos). Seu limite de velocidade é de até 90 quilômetros por hora, entretanto com os engarrafamentos, a velocidade média na via expressa diminui significativamente.

Além da BR-101, a Avenida Brasil também faz parte do percurso da BR-040, da BR-116 e da BR-465, totalizando todas as rodovias federais que passam pela cidade do Rio de Janeiro.

A Prefeitura do Rio de Janeiro mensura a Avenida Brasil, como a responsável pelo maior fluxo viário da cidade com mais de 300 mil veículos por dia, atribuído à influência geográfica da via – causado pelo fenômeno da migração pendular, isto é, o deslocamento diário dos trabalhadores da Baixada Fluminense e da Zona Norte e Zona Oeste ao Centro da cidade.

A avenida começa nas proximidades da Zona Portuária tendo como marco a Rodoviária Novo Rio como quilômetro 0 e corta dezenas de bairros até chegar a Santa Cruz, na Avenida João XXIII – o quilômetro final, na Zona Oeste. A Avenida Brasil é uma via estratégica para o dinamismo da cidade do Rio de Janeiro e importante historicamente.

Tem intersecções com a Ponte Rio-Niterói, Linha Vermelha, Linha Amarela, Rodovia Washington Luís, Via Dutra, Antiga Estrada Rio-São Paulo e a Rodovia Rio-Santos, garantindo assim ligação direta com a Baixada Fluminense, a Zona Norte, Zona Sul, Zona Oeste e o Centro carioca.

Inaugurada em 1946, recebeu expansão à Zona Oeste com extinção da Avenida das Bandeiras em 1961, o que lhe garantiu esta transversalidade. Também se tinha a intenção de diminuir os custos de circulação de mercadorias, assim como facilitar acesso às indústrias, que possuíam presença expressiva na região. Teve importante consolidação a partir da década de 1950, com a chegada da indústria automobilística principalmente nos Anos JK. Nela se situa o Ceasa, no bairro de Irajá, um dos maiores entrepostos de hortifrutigranjeiros da América Latina, e a Fundação Oswaldo Cruz com o seu prédio em estilo arábico.

As críticas à Avenida Brasil geralmente são dirigidas aos seus problemas crônicos como:
Ao não sempre ideal estado de conservação asfáltica, mais intensa do trecho Trevo das Margaridas ↔ Caju, diminuindo a velocidade do trânsito, causa congestionamentos, acidentes e danos aos veículos e desistência de empresas, por conta da insegurança proporcionada pela violência urbana.

O projeto

A primeira tentativa de abrir a via aos veículos automotores é datado de 1906, durante a Era Pereira Passos da Prefeitura do Rio de Janeiro. O objetivo era conectar o Centro da cidade aos bairros localizados depois da Ponta do Caju até Irajá, tendo, como ponto de partida, a Avenida Rodrigues Alves e o Cais do Porto. Em 1916, o projeto estava sendo debatido nos primeiros congressos sobre estradas de rodagem.

Durante a Era Washington Luís da presidência, diversos projetos para a futura rodovia (entre 1926 e 1928) foram considerados, aproveitando trechos do caminho de 1922, quando foi feita a primeira viagem de carro a Petrópolis, agregando alguns sócios do Automóvel Club. Foram feitos cinco estudos. A que seguia o litoral foi considerada a mais difícil de se executar.

O projeto de autoria de Jorge Macedo Vieira para o Bairro Industrial de Manguinhos (de 1927), com o trajeto pelo litoral, contrariou as tendências das escolhas de trajetos para aberturas de rodovias serem sempre pelo interior e foi a senha para determinar o atual trajeto da Avenida Brasil. A variante de acesso a Petrópolis, que daria origem à atual Avenida Brasil, foi construída na década de 1940, no período histórico denominado Era Vargas, para desafogar o tráfego nas ruas internas beirando a Estrada de Ferro Leopoldina, que nada mais eram que o antigo caminho para Petrópolis.

Vias integrantes

  • Estrada Marechal Alencastro, próximo à Deodoro, Ricardo de Alburquerque e ao município de Nilópolis
  • Estrada do Engenho Novo, em Realengo
  • Rua Nilópolis, em Realengo
  • Estrada da Cancela Preta, em Padre Miguel
  • Estrada General Americano Freire, em Padre Miguel
  • Avenida Doutora Maria Estela, em Bangu
  • Estrada Guandu do Sena, próximo ao Parque do Mendanha, em Bangu
  • Rua Catiri, no sub-bairro de Vila Catiri, em Bangu
  • Acesso ao bairro não-oficial Vila Kennedy
  • Alça de acesso, através da Estrada do Quafá à Santíssimo
  • Acesso na Estrada do Mendanha, que liga a Serra do Mendanha até o centro de Campo Grande
  • Acesso na Estrada do Pedregoso, que se encontra a Estrada do Mendanha na Serra dita antes até o 2°encontro com a Estrada do Mendanha
  • Entroncamento em que se acessa a BR-465, que liga Seropédica até as proximidades do centro de Campo Grande
  • Vias locais de Paciência
  • Rio-Santos
  • Avenida João XXIII

 

Quer saber como está o trânsito na Avenida Brasil? Veja aqui câmeras ao vivo da Avenida Brasil.